Por que extrair o siso?

Muitos pacientes temem este diagnóstico: “precisa extrair seus sisos”.

Medo da cirurgia, medo da anestesia e medo de dor são as primeiras sensações que aparecem e fazem com que a pessoa postergue este evento.

Muitos não sabem, mas o siso é o último dente a nascer em nossa boca e isto ocorre entre os 17 e 23 anos, mas é comum termos variações neste tempo.

Quando esse dente começa a nascer, ele pode causar dores locais, incômodos gengivais como sangramento e até dores de cabeça. Além disso, caso ocorra na região um acúmulo de sujeira, devido à falta de higienização no local, pode ocorrer uma inflamação chamada pericoronarite, causando um incômodo maior.

Caso o siso esteja em posição correta, sem causar transtorno, incômodo, dor e tiver condições de higienização, muitas das vezes ele nem precisa ser removido.

Quais são as indicações para extração do siso 

extração siso

A seguir, listo as situações em que sua remoção é indicada:

– Quando falta espaço na arcada e o siso ao nascer estaria numa posição ruim para higienização;

– Quando está cariado e sua restauração e tratamento endodôntico fica inviável;

– Quando, por meio de radiografias, observamos que o mau posicionamento do siso representa risco eminente de cárie para o dente vizinho;

– Quando apresenta inflamação ou pericoronarite na região;

-Quando, por meio de radiografias, observamos que o mau posicionamento do siso representa risco eminente de reabsorção da raiz do dente vizinho;

– Quando o paciente irá realizar tratamento ortodôntico e assim a extração prévia do siso irá prevenir qualquer desconforto para a extração, uma vez que com aparelho a cirurgia fica mais difícil;

– Prevenção de cistos e tumores odontogênicos;

– Prevenção para que o siso “não entorte os outros dentes”. Alguns profissionais defendem que com o nascimento dos sisos eles podem empurrar os dentes para frente, na procura de espaço, e assim apinhá-los.



Pericoronarite, problema comum no siso 

Como mencionado anteriormente, um problema que acontece quando não higienizamos o dente é a pericoronarite. A maioria dos casos de dor no siso que chegam ao consultório é devido a esse problema.

Isso acontece geralmente pela dificuldade na higienização no local do siso, além disso, as vezes a região pode estar dolorida dificultando sua escovação.

Assim, a placa se acumula entre o siso e a gengiva,  causando muita dor e desconforto.

E a cirurgia para remoção do siso, como acontece?

radiografia-panoramica-terceiros-molares-sisos

A primeira coisa que se deve saber é que uma cirurgia de siso é totalmente diferente da outra, existem cirurgias que podem ser bem rápidas e outras que podem demorar bastante, isso varia principalmente pela posição do dente no osso.

Por isso é essencial exames complementares como a panorâmica, além disso, existem casos mais complicados que necessitamos até realizar uma tomografia.

Nesses exames vamos examinar primeiramente a posição do siso, ele pode estar na posição “normal” ou em “pé”, ou seja, como todo outro dente. Mas, existem muitos casos, onde ele pode estar “deitado” o que dificulta muito a nossa cirurgia.

Também com a tomografia podemos ver a relação das raízes com o nervo alveolar inferior. Existem casos onde a raiz pode estar muito perto do nervo podendo causar parestesia transitória, portanto todo cuidado é pouco.

Portanto, existem casos mais simples e outros mais complexos que devemos planejar com bastante cuidado.

Concluindo

Assim, diante do que foi listado, entende-se que quando indicado, a extração dos sisos deve ser realizada principalmente para que se evite problemas futuros.

O pós operatório é simples, veja neste link.

Porém vale ressaltar que, para que haja o sucesso da cirurgia e diminuição dos incômodos pós operatórios, além da habilidade e conhecimentos do profissional, há a necessidade da colaboração do paciente também.

Este texto serviu para te encorajar um pouco? Deixe o medo de lado e se cuide!

Att

Davi Frossard